Imobiliário e emprego de mãos dadas

O INE- Instituto Nacional de Estatística, divulgou os dados relativos ao desemprego em 2016 e que já abrangem o último trimestre do ano. Estes números permitem constatar que o sector do imobiliário é um dos "responsáveis" pelo aumento do emprego em Portugal.

Em 2016, trabalhavam no sector da mediação imobiliáriainfo-icon 40 mil portugueses, mais 43% do que em 2015, ou seja, este é o setor de atividade onde a subida no emprego foi mais expressiva. Segundo o INE:

A taxa de desemprego do 4.º trimestre de 2016 foi de 10,5%. Este valor manteve-se inalterado face ao do trimestre anterior e é inferior em 1,7 pontos percentuais (p.p.) ao do trimestre homólogo de 2015. A população desempregada, estimada em 543,2 mil pessoas, registou uma diminuição trimestral de 1,2% (menos 6,3 mil pessoas) e uma diminuição homóloga de 14,3% (menos 90,7 mil).
A população empregada, estimada em 4 643,6 mil pessoas... registou um acréscimo face ao ano anterior de 1,8% (mais 82,1 mil).

Mas a novidade interessante provém do estudo que a TSF elaborou com base nestes dados e que estratifica o crescimento do emprego por setor de atividade económica. E a surpresa é que, no período de 2015/2016, o crescimento do emprego foi liderado pela indústria do imobiliário.  

Crescimento do emprego em 2015/2016 por sector de atividade

A justificação para este comportamento do emprego pode ser encontrada no valor recorde de investimento estrangeiro que Portugal soube captar durante este biénio. Mas também no sector do turismo, que gerou oportunidades se emprego no sector da construção e da mediação imobiliária. E por último, na reabilitação urbana, em grande parte alavancada pelos dois primeiros motivos.

Se dúvidas houvesse em relação ao virtuosismo do investimento no imobiliário, quer nacional, quer estrangeiro, aqui está mais uma vantagem óbvia.